O carpete do auditório da FACOP precisava ser limpo e com o apoio dos parceiros da instituição, Karcher e Spartan, em conjunto com a ação da nossa equipe de limpeza, essa atividade foi realizada com sucesso. Aproveitando esse evento, conheça a seguir algumas orientações sobre esse tipo de limpeza. O Professor da FACOP e Coordenador do curso de Limpeza Profissional, Mário Luis Pessôa Guedes, faz suas colocações sobre o tema. Boa leitura!

Alguns componentes das sujidades orgânica e inorgânica, presentes em carpetes, tapetes, sofás, colchões, como os ácaros, fungos, pólen, poeira, pelos de animais e determinados odores podem, em alguns indivíduos, desencadear uma resposta exagerada do sistema imunológico, também conhecida como hipersensibilidade ou alergias.

Segundo a Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia, as doenças alérgicas são bastantes comuns, se tornando um problema de saúde pública, acometendo cerca de 30% da população mundial e podem afetar a qualidade de vida de crianças e adultos.

A palavra “alergia” deriva do grego quer dizer “ação diferente”. Desta maneira, a exposição do ser humano a determinados alérgenos presentes nas sujidades visíveis e invisíveis, faz com que o sistema imunológico considere este agente prejudicial ao nosso corpo, gerando os sintomas de alergia. As alergias podem acometer o sistema respiratório, sendo a asma e a rinite alérgica as doenças mais comuns. Essas doenças, causam desconforto, prejudicam a capacidade de trabalho e concentração, interferindo na qualidade de vida.

Ambientes limpos e livres da proliferação e acúmulo de alérgenos (agentes causadores da reação alérgica) são fundamentais para evitar que as crises se acentuem.

Os processos de limpeza garantem a saúde das pessoas uma vez que a remoção de uma grama de poeira com a técnica correta, pode eliminar de 2.000 a 10.000 ácaros. Por isso os processos de limpeza de carpetes são tão importantes, além de revitalizar o aspecto do carpete e remover odores e manchas diversas, prolongando a vida útil do ambiente.

A limpeza dos carpetes precisa ser bastante planejada, pois é preciso levar em consideração: o tamanho da área a ser limpa, a diluição do produto, tempo de ação e a maneira de aplicação, de modo que não se deve aplicar grandes quantidades, pois o excesso de água pode dificultar a ação mecânica e a secagem, gerando maior possibilidade de problemas. Para realizar a correta limpeza de carpetes temos que levar em consideração:

  • os produtos e equipamentos adequados, de modo que não exista desperdícios (de produto, água e tempo de trabalho);
  • danos ao tecido, desbotamento da cor e quebras da fibra;
  • que a qualidade final do processo seja elevada.

O processo de limpeza de carpetes passa por 5 fases:

– Remoção das partículas soltas com o auxílio de um aspirador de pó;

– Aplicação do produto químico com pulverizador, obedecendo o tempo de ação e diluição indicado no seu rótulo;

– Esfregação mecânica, com auxílio de uma enceradeira ou conservadora, com o disco específico para a limpeza de carpetes (bonnet) ou ainda máquinas com escovas rotativas;

– Retirada do líquido do carpete e enxague com água limpa, com equipamentos extratores, manuais ou acoplados às máquinas de limpeza, para remoção do residual do produto químico, deixando o carpete limpo e livre de alérgenos, para a secagem.

– Secagem do carpete, por meio de secadores de piso, em ambiente arejado.

A secagem é um processo bastante importante, pois se não for feita adequadamente, pode deixar o carpete malcheiroso. Além disso, é preciso que a limpeza dos carpetes seja bem planejada, pois o ambiente deve ficar livre de objetos e trânsito de pessoas para melhor secagem.

Além da limpeza de carpetes, algumas orientações que podem contribuir para a saúde:

  • Arejar o ambiente, diminuindo a umidade e a possibilidade de proliferação de fungos;
  • Atenção na limpeza seca, além de conservar o ambiente limpo por mais tempo, remove grande parte dos alérgenos presentes na sujidade solta;
  • Uma limpeza úmida e desinfecção de qualidade elimina possíveis fungos e bactérias do ambiente;
  • Manter ventiladores e filtros do ar condicionados sempre com a manutenção em dia;
  • Equipamentos de limpeza sempre em ordem e higienizados evitam a contaminação cruzada;
  • Em casa, a troca da roupa de cama semanalmente, higienização de travesseiros e colchões auxiliam na diminuição das alergias.

 

Referências:

A Doença do Século XXI – Alergia – Perguntas e Respostas Copyright © 2012 by Livraria e Editora Revinter Ltda

Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia Regional do Rio de Janeiro – ASBAI-RJ (Biênio 2011 – 2012) Presidente: Solange Oliveira Rodrigues Valle

Visits: 40