Há muitas dúvidas relacionadas ao papel dos profissionais Porteiro, Vigia e Controlador de Acesso na Segurança Patrimonial, especialmente no que diz respeito a como evitar ou inibir ações criminosas nos seus locais de trabalho. Por esse motivo, Gilberto Nascimento – Especialista no assunto e Professor da formação de Portaria, Vigia e Controlador de Acesso do CEPNKA – Escola da FACOP,  responde as principais questões sobre o tema.

 

– Quais são os tipos de ações criminosas mais comuns que os profissionais (Porteiro, Vigia e Controlador de Acesso) que realizam segurança patrimonial podem se deparar?

GN – Os 3 tipos de crimes mais comuns são o furto, o roubo e o estelionato. O furto é a subtração de coisa alheia sem uso da violência. Já o roubo, envolve a subtração com uso de violência ou sob grave ameaça. O estelionato é obter para si ou outra pessoa vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante a meio fraudulento. São exemplos de ações criminosas que os profissionais Porteiros Vigias e Controladores de Acesso se deparam: furto de objetos, equipamentos e bens patrimoniais em geral; roubo de bens pessoais e veículos, assaltos a mão armada, sequestros, falsificação de documentos, entre outras.

 

 – De que forma o profissional deve proceder para inibir ou evitar essas ações criminosas?

GN – O profissional deve seguir corretamente as normas e procedimentos de segurança implantados em seu posto de serviço. Além disso, ele precisa conhecer as ações criminosas mais comuns nas proximidades de sua área de trabalho e com isso, estar atento às vulnerabilidades. É muito importante que sejam utilizados corretamente todos os sistemas de segurança colocados à disposição, especialmente o controle de acesso, como mecanismos de prevenção, reduzindo as oportunidades para ações criminosas.

 

– O que é o “triângulo do crime”?

GN – Podemos dizer que é a compreensão de como os criminosos agem e é composto de 3 fatores:

  • Motivo – os criminosos praticam o delito por terem um motivo, uma motivação.
  • Técnica – corresponde a saber utilizar armas e ferramentas para burlar a segurança e conseguir o que pretende.
  • Oportunidade – é quando há uma vulnerabilidade, facilitando a ação do criminoso e que ele obtenha êxito.

 

– O que é “módus operandi”?

GN – Modo como os criminosos ou quadrilhas agem.

 

– Quais são os disfarces mais utilizados por meliantes para tentar adentar a um local?

GN – Falsos entregadores de brindes e de encomendas, falsos funcionários de concessionárias, simulações de pedidos de socorro, falsos funcionários da mesma empresa, falsos policiais ou serventuários da justiça.

 

– As ações criminosas são praticadas somente por meliantes advindos de fora do local?

GN – Não, as ações criminosas podem ser cometidas por funcionários, moradores, prestadores de serviços. Muitas vezes são pessoas conhecidas e sabem como é o funcionamento interno do local.

 

– Quais são as principais atribuições dos profissionais Porteiro, Vigia e Controlador de Acesso na segurança patrimonial?

GN –  Controle de acesso, principalmente por meio de autorização, supervisionar as câmeras de segurança e comunicar as ocorrências para as autoridades competentes.

 

Gilberto orientou ainda que a segurança patrimonial é uma atividade que requer atenção total do profissional e que ele siga os procedimentos para evitar as ações criminosas. Ressaltou também que é preciso verificar constantemente se as barreiras de segurança existentes são capazes de inibir as ações criminosas, pois se o criminoso conseguiu praticar o delito é porque ele teve oportunidade.

Visits: 97