Um dos meios de prevenção à Covid-19 é a higienização correta feita por profissionais capacitados

Inês Aparecida de Lima, 48 anos, trabalha com limpeza na área de pediatria em um hospital de Curitiba. Ela entra às 7h da manhã e sai às 19h. Quando chega ao hospital, a primeira coisa que faz é colocar o uniforme para começar sua rotina, que inclui higienizar as camas de pacientes que tiveram alta, esterilizar os ambientes, lavar corredores e banheiros. Inês é uma dos milhares de profissionais do setor de asseio e conservação que trabalham, muitas vezes, na invisibilidade, mas que exercem papel fundamental para a sociedade. Nas últimas semanas, vendo o impacto direto da higiene na saúde global, essa relevância tem se mostrado ainda mais forte e indicadora de que falar de limpeza também é falar de cuidado e de suporte; e de que trabalhadores e trabalhadoras da limpeza merecem nossos aplausos. E vale dizer que essa valorização inclui os que trabalham com limpeza em diferentes áreas: do hospital, passando por escola até as ruas.

Reconhecimento

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) postou em suas redes sociais uma foto com a equipe de higienização do Hospital de Clínicas da UFPR. Na legenda, a instituição de ensino trazia seu agradecimento por todo o trabalho desempenhado. “Eles são fundamentais para a segurança de pacientes e profissionais e dão o suporte necessário para que as demais equipes de enfrentamento à Covid-19 possam executar suas atividades no Hospital”. A ação foi elogiada por milhares de seguidores. Exemplos como este são cada vez mais comuns.

 “As pessoas pensam que a profissão é simples, mas não é. Não importa se é doutor ou da limpeza, o hospital precisa de todos e é importante se sentir valorizada”, diz Inês Aparecida. Com mais de 20 anos de experiência no setor, ela conseguiu contratação no trabalho atual por meio da Central de Empregos da Facop e conta que vê a limpeza hospitalar como missão. “Estava em outra empresa e não via a hora de voltar para trabalhar com limpeza hospitalar. Tem muitas pessoas precisando da gente, nosso trabalho é necessário”.

Qualificação

O trabalho com limpeza não é simples. É trabalhoso, requer maestria e conhecimento especializado. A Facop nasceu justamente com o propósito de oferecer aos trabalhadores de asseio e conservação cursos que oferecem atualização sobre novas tecnologias e processos mais eficientes do ramo. Segundo o professor e coordenador dos cursos de limpeza da Facop, Mário Guedes, a limpeza deve ser tratada como proteção à vida e promoção da saúde. “Ninguém começa a trabalhar em um lugar sem que antes um profissional tenha feito todo o processo de higienização, desde um cozinheiro até o presidente da República. Todos precisam do serviço de limpeza, mesmo que não saibam disso”.

Márcia dos Santos, 47 anos, atua na área de asseio e conservação desde os 26 anos. Por meio dos cursos da Facop, adquiriu novos conhecimentos para exercer a profissão, além de ter subido de cargo na empresa onde trabalho. “Aprendi muito com o curso e sempre aconselho a minha equipe para fazer. De copeira, passei a ser encarregada, pois a empresa que trabalho precisava de alguém para a função e sabia que eu tinha feito o curso”, conta.

Faça parte dessa rede

Vamos ajudar a valorizar os profissionais de asseio e conservação? A Facop convida todos a participarem dessa rede do bem, que agradece e aplaude Inês, Márcia e todos aqueles que promovem limpeza e saúde.

Visits: 2854